4 de agosto de 2016

{RESENHA} Radiante – Alyson Nöel


Olá leitores lindos, como vocês estão? Espero que bem *-* Trago hoje a resenha do primeiro livro da série Riley Bloom. A mais nova série escrita pela autora Alyson Nöel. Vamos conferir? \o/

Número de Páginas: 174
Editora no Brasil: Intrínseca
Ano de Lançamento: 2011
ISBN: 9788580570533

Sinopse: Algum tempo após o acidente de carro que a matou, Riley Bloom deixou sua irmã, Ever, no mundo que conhecemos e atravessou a ponte da vida após a morte até um lugar chamado Aqui, onde o tempo é sempre Agora. Riley reencontrou os pais, também vítimas do desastre, e Buttercup, o cão da família. Todos estavam se adaptando a uma morte boa e tranquila, até que ela foi chamada perante o Conselho e um segredo lhe foi revelado: a pós-vida não significa simplesmente uma eternidade de lazer. Riley tem tarefas a realizar. Ela é designada como Apanhadora de Almas, e Bodhi, um garoto diferente, que ela não consegue decifrar muito bem, é seu guia. Riley, Bodhi e Buttercup voltam à Terra para sua primeira tarefa: fazer o Menino Radiante, que há anos assombra um castelo na Inglaterra, atravessar a ponte. Muitos Apanhadores de Almas já tentaram convencê-lo e não obtiveram sucesso. Mas isso foi antes que o menino conhecesse Riley...

Tenho lido muitas resenhas “confusas” e algumas, ora positivas e outras ora negativas, o que só me deixou confuso procurando saber realmente se o livro era bom ou ruim. Então, claramente fui ler para tirar minhas conclusões. E vejamos mais adiante no que deu.

Riley Bloom é uma garotinha loira de apenas 12 anos que tem sua vida tragicamente interrompida num acidente de carro, onde só sua irmã Ever escapa com “vida”.

Em um plano diferente do nosso da terra, Riley é viva. Só que numa dimensão entre a vida e a morte. Assim que chega nesse lugar intitulado de “Aqui”, a mesma é designada a ser uma apanhadora de almas. (Anunciamento e designação que aconteceu bastante rápido, diga-se de passagem).

A partir daí, ela, seu cachorro Buttercup e seu “tutor” Bodhi um garoto (assim como ela - jovem) com aparência de nerd e que a Riley não consegue decifrar muito bem, vão praticar e vivenciar experiências que tornaria a apanhadora de almas uma verdadeira caçadora. Eles enfrentam certas criaturas (que não posso citar aqui óbvio) e aprendem lições, algumas valiosas.

Uma leitura SUPER rasa, sem muitas perspectivas de reviravoltas, sem acontecimentos inesperados. Um livro para você ler em uma tarde tranquilamente, esperando basicamente entreter sua cabeça com alguma leitura sobrenatural.

Poucas cenas me prenderam de verdade, e ainda assim as que me prenderam, a autora deixou a desejar. Eu queria um aprofundamento, uma explicação maior e melhor do que acaba ocorrendo em menos de dois capítulos. Por exemplo, em determinado capítulo, a autora descreve um acontecimento que é a chave do livro de forma bastante rápida. O que me irritou um pouco. As descrições foram razoáveis.

Confesso que gostei de poucas coisas, e detestei tantas outras. E a escrita da autora não me agradou nem um pouco. Do começo até a metade do livro, eu me irritei profundamente com o modo dela relatar e descrever os acontecimentos. Não sei o que houve. A história em si, para mim, só foi melhorar da metade do livro para o final. Sinceramente não sei se quero ler a continuação, Luminoso. Mas quem sabe NÉ? Sem dúvida será uma leitura despretensiosa e para passar o tempo, numa tarde qualquer.

AHH, e as capas dessa série que a Editora criou são maravilhosas. E tem tudo a ver com os personagens, a trama, etc. Mas sempre deixo ressalvas. Como tem quem leu e não gostou, tem quem leu e gostou. Então leia e tire suas próprias conclusões. Até breve, abraços literários.
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.